Veja o que você precisa saber sobre terremotos no Japão

Tempo de leitura: 4 minutos

Entre as muitas coisas pelas quais o Japão é conhecido, está a grande quantidade de terremotos. Este talvez seja um dos lados menos agradáveis do país. Os terremotos no Japão já foram incrivelmente destrutivos, mas, ao mesmo tempo, serviram como força motriz para o avanço tecnológico e a resiliência humana. Atualmente, os edifícios e estruturas no Japão são construídos para resistir a fortes abalos, o que torna o país um dos mais seguros diante de uma situação de terremoto.

História dos terremotos no Japão

O Japão está situado em cima e perto de quatro placas tectônicas, que se movem umas contra as outras e aumentam a pressão entre elas. Um terremoto ocorre quando a pressão é liberada. Não por menos, o Japão é uma das áreas do mundo mais ativas do ponto de vista sísmico.

O primeiro registro confiável de terremoto no Japão remonta cerca de 500 anos atrás. Contudo, o registro e coleta detalhada de terremotos no país não era feita até o século XIX. Foi nessa época que a escala conhecida como Shindo foi desenvolvida.

Pelos motivos apresentados acima, as informações mais detalhadas de terremotos no Japão costumam ser sobre os que ocorreram na história recente do país: o Grande Terremoto de Kanto em 1923, o Grande Terremoto de Hanshin em 1995 e o Grande Terremoto de Tohoku em 2011.

A escala Shindo

Shindo (震度) significa “intensidade do abalo”, portanto, ela mede e específica a intensidade do terremoto. A escala Richter é a mais usada, medindo o grau de magnitude ou a quantidade de energia que o terremoto libera.

Uma diferença significativa na escala Shindo é que um mesmo terremoto pode registrar diferentes números na escala, dependendo de onde ele é medido. Com a escala Richter, quase sempre se obtém a mesma medida.

A escala Shindo possui sete graus principais, sendo 1 a mais baixa e 7 a mais alta. Ela descreve de forma precisa qual foi o impacto do terremoto nas pessoas, edifícios, outras estruturas e no solo.

Por exemplo, na intensidade 7, você verá pessoas perdendo o equilíbrio, os pedaços de concreto e vidraças caindo dos prédios, a maioria ou todas as construções sofrendo grandes danos e rachaduras, além de fissuras aparecendo no chão. O Grande Terremoto de Tohoku de 2011 foi de intensidade 7 na escala Shindo.

Tecnologia à prova de terremotos

O Japão é líder mundial em tecnologia contra terremotos. O país produz uma infraestrutura de construção forte o suficiente para resistir a grandes abalos sísmicos. As estruturas à prova de terremoto são construídas com amortecedores, que podem ser tão simples quanto almofadas de borracha com vários centímetros de espessura. Os amortecedores de movimento ajudam a absorver o movimento e diminuir o impacto nos edifícios.

Os edifícios no Japão tendem a ser produzidos também de maneira mais uniforme – se cada andar for construído com a mesma altura e espaçamento uniforme, será mais fácil para ele resistir a um terremoto.

Sistema de alerta de terremoto

O sistema Japan Kinkyū Jishin Sokuhō (緊急地震速報) fornece mensagens de alerta baseadas em instrumentos que detectam ondas sísmicas a partir de um determinado nível. Essas mensagens aparecem na TV, rádio e telefone móvel para chegar ao maior número possível de pessoas em um curto espaço de tempo. O objetivo é salvar o maior número possível de vidas, pois apenas alguns segundos são suficientes para as pessoas se protegerem de um choque significativo.

Por conta deste sistema, todos os telefones do Japão recebem estes alarmes. Eles disparam mesmo que o telefone esteja no modo avião e geralmente são mais assustadores do que o próprio terremoto. No entanto, é melhor se prevenir do que remediar!

Treinos e evacuação

Treinos contra terremoto são realizados com frequência no Japão. As pessoas são ensinadas desde pequenas a nunca subestimar os perigos de um terremoto. As escolas realizam com frequência treinos contra terremoto e cada bairro tem seu próprio ponto de evacuação. Os espaços costumam ser abertos e longe dos edifícios.

Se você mora no Japão e não sabe onde fica o ponto de evacuação local, basta visitar a prefeitura ou o escritório distrital mais próximo para obter um mapa com informações de pontos de evacuação.

Earthquake kit PT

Kit de sobrevivência

Órgãos do governo central e regional aconselham os residentes a terem pronto um kit de emergência para o eventual caso de terremoto.

O kit inclui:

  • Água e alimentos não perecíveis o suficiente para três dias
  • Um kit médico portátil com itens básicos como curativos, desinfetantes, medicamentos vendidos sem receita e gaze
  • Lanterna
  • Rádio portátil
  • Bateria
  • Dinheiro
  • Isqueiro ou fósforo
  • Meias e luvas grossas
  • Tolhas e lenços umedecidos
  • Roupa reserva
  • Informações para contatos de emergência

Também é importante ter os seus documentos de identificação caso precise evacuar. É importante garantir que o seu cartão de residência ou passaporte estejam acessíveis a qualquer momento.

Apesar de ser um dos países com mais abalos sísmicos no mundo, o Japão também é um dos países mais seguros onde é possível estar diante de um terremoto. O país possui infraestrutura e sistemas projetados para salvar vidas e existem várias regras e instruções para seguir que ajudam a se preparar para um grande terremoto.

Para mais informações e dicas sobre a vida no Japão, acesse o nosso blog.

Compartilhe este artigo

Go! Go! Nihon

Artigos relacionados